Embora sejam meigos e delicados, os pequenos demandam atenção constante em uma infinidade de quesitos, desde cuidados com alimentação, educação e saúde, até questões de segurança propriamente dita.

E em se tratando de segurança, a atenção deve mesmo ser redobrada, afinal as crianças não conseguem reconhecer o perigo que algumas situações representam. Isso acaba exigindo dos pais e babysitters o desenvolvimento de habilidades para prevenção de acidentes: uma espécie de instinto de anjo da guarda.

E é sobre esse tema que falaremos hoje: cuidados de segurança com crianças pequenas. Em nosso post listamos 5 situações que podem se tornar um risco em potencial para a saúde do seu filho e como evitá-las. Confira!

1 – Cozinha: um grande vilão

O número de crianças que morre anualmente em razão de acidentes domésticos, segundo dados da Sociedade Brasileira de Pediatria, é 5,3 mil — e muitos desses acidentes acontecem na cozinha.

O ideal é que os pais coloquem grades para inviabilizar o acesso das crianças. Hoje em dia, existem modelos removíveis que se adaptam a qualquer tamanho de porta. Use-os até que seu filho tenha idade suficiente para compreender os perigos que mexer no fogão sozinho, por exemplo, representam.

Outra medida fundamental também diz respeito ao fogão. Todos os adultos da casa, especialmente as babás, devem manter as panelas com os cabos virados para dentro e nunca colocar panelas com líquidos quentes nas bocas da frente, mesmo que a grade de acesso à cozinha esteja fechada. Cultivar hábitos seguros é fundamental.

2 – Quarto do bebê: todo cuidado é pouco

Apesar de ser um espaço que costuma ser muito bonito e aconchegante, o quarto do bebê também requer precaução. Nesse caso, os cuidados devem começar desde a fase de decoração.

Evite tapetes, pois eles podem causar alergias e provocar quedas e tropeções, principalmente na fase em que as crianças estão aprendendo a andar. Além disso, não deixe que o bebê tenha fácil acesso a brinquedos com objetos pequenos, que pode levar à boca. E assim que o bebê começar a crescer e atingir determinada altura, configure a altura do berço, para impedir que ele caia e se machuque.

3 – Banheiro: um poço de mistérios

O banheiro exerce um certo fascínio sobre as crianças, e se deixadas sozinhas lá por apenas alguns segundos, uma bagunça com o papel higiênico sempre acaba acontecendo.

Esse cômodo também inspira cuidados. Algumas crianças têm mania de subir em tudo e é aí que mora o perigo: caso a criança resolva subir no vaso sanitário, essa empreitada poderá terminar em queda, com até mesmo ferimentos de grandes proporções. E se ela resolver levantar a tampa da privada, o risco é maior ainda: elas podem até se afogar.

Para fugir dessas possibilidades, o mais recomendável é manter sempre a porta dos banheiros fechada. É importante também comprar travas para os vasos sanitários e não se esquecer de bloquear o acesso a móveis de banheiro, onde costumam ficar guardados produtos de limpeza, que também são um risco para a segurança da criança.

4 – Salas: um espaço que merece atenção

A sala costuma ser um dos ambientes mais frequentados pelas crianças e, justamente por isso, algumas recomendações são necessárias. Evite móveis pontiagudos — se já os possui, compre protetores para as quinas. Outra medida de segurança útil e indicada é manter as tomadas com plugues para evitar choques.

Se sua sala tem escada para outro andar, fique atenta: algumas crianças têm o hábito de subir a escada sem segurar no corrimão. Isso deve ser evitado, pois também pode causar tombos e acidentes mais sérios.

5 – Jardins e quintal: o perigo também mora lá fora

As áreas externas também são cheias de perigos para as crianças. O principal deles é a piscina: afogamento é a segunda maior causa de mortes de crianças. Por conta disso, em momento nenhum deixe o seu filho sozinho na piscina. Quanto você não estiver presente, esclareça essa regra atentamente à babá ou babysitter dele.

E não esqueça o quintal: evite que seu filho circule sozinho nessas áreas. Mantenha os utensílios (pás, enxadas e ferramentas) em prateleiras altas para dificultar o acesso a eles.

Ufa! Quanta coisa não é mesmo. Calma: com um pouco de atenção e disciplina é possível manter o seu filho bem seguro. O importante é ter em mente quais são as possíveis “manias inseguras” em cada ambiente antever os acidentes. E não se esqueça de passar todas as recomendações sobre essas manias para a babá ou babysitter, especialmente para aquelas recém-contratadas, afinal elas não conhecem a criança, nem tampouco seus hábitos.

E aí, curtiu as nossas dicas para afastar o fantasma da insegurança do seu lar? Conhece outros cuidados de segurança com crianças? Compartilhe conosco a sua experiência, deixando um comentário!

Assine nossaNewsletter

Join our mailing list to receive the latest news and updates from our team.

You have Successfully Subscribed!